A VINDA DE JESUS – ARREBATAMENTO

SAUDAÇÃO E PREAMBULO

A Paz do Senhor Jesus Cristo seja com toda sua Igreja, aquela que  tem como Senhor Soberano o Filho de Deus, nosso Remidor. Aquela que está vestida com as vestes do Espírito Santo, paz e graça até a consumação dos tempos!

Estamos em uma época de trevas onde o desconhecimento gerado pela confusão deste mundo, tem iludido e adormecido muitos dos nossos irmãos em Cristo.

Principalmente no que diz respeito a vinda do nosso Senhor Jesus. Sim, sua vinda, segundo ele mesmo prometeu que voltaria. E os anjos deram testemunho juntamente com os apóstolos e outros irmãos.

Satanás nestes dias tem buscado tirar o foco do povo de Deus sobre o Reino dos Céus, seduzindo-o para que venha pedir às pedras do deserto que se transformem em pão, como ele tentou o próprio Senhor. Assim dizendo, quer que as coisas deste mundo árido sejam feitas alimento para suas almas.

Por isso, algo que tem sumido do meio da Igreja é o conhecimento sobre a volta de Jesus Cristo. Porque tal ciência traz o foco no Reino Certo. A se esperar, o Reino dos Céus.

Por isso, a seguir vamos tratar deste assunto, ajustados a uma alta lucidez na pessoa de Jesus e apegados veementemente aos Textos Sagrados. Pois se trata de uma profecia e como profecia não há outra fonte a se beber senão as Sagradas Escrituras.

Quem se regozija com a verdade, antes de se preocupar em estar certo ou errado anseia pelo o que é o certo.

DIRETO AO TEMA

O que se segue agora é a elucidação da Profecia de Deus ao seu povo essencial nestes tempos de dispersão.

A vinda de Jesus! A importância deste conhecimento no Senhor não é como mais um detalhe em nossa fé mas, principalmente, pela eminência dos acontecimentos nestes dias, é como uma trombeta de atalaia, a qual avisa o seu povo sobre um numeroso exército inimigo que está se dirigindo aos muros da nossa cidade.

Verdade é que a Bíblia nos deixa muito claro essa manifestação e que agora a exporemos diante da Igreja, por meio do Espírito Santo. Amém.

A nossa certeza e esperança:

“E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.

E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.

Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” 

Atos 1:9-11

Partimos desta verdade absoluta segundo o que está claramente escrito, esperança nossa  como servos de Jesus Cristo: A volta de Jesus é certa. E da mesma forma como foi para o céu em carne, assim ele voltará.

A respeito dos acontecimentos que giram em torno deste fato, tanto os que o antecedem, quanto os que prosseguem depois dele, agora falaremos.

Está escrito:

1 Tessalonicensses 4:14 – 5:6:

“Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele.

Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.

Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva;

Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite;

Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.

Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão;

Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas.

Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios;”

O texto nos diz expressamente que Deus, no dia da volta de Jesus, “do arrebatamento” tornará a trazer a vida os que morreram em Cristo primeiro, ou seja, os que já adormeceram em Jesus. Pois os que morreram em Cristo descansam em Cristo até a primeira ressureição. Não estão despertos, mas adormecidos em suas conciencias, no selo de Deus, no Espírito Santo que junto de suas almas, ainda que adormecidos, clamam pela justiça de Deus em espírito.

“E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.
E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram.”

Apocalipse 6:9-11

Eles primeiro ressuscitarão e depois nós, os que estivermos vivos e ligados Nele, seremos arrebatados aos ares, a se encontrar ali com o Senhor.

Esse dia, o dia do Senhor, o apóstolo Paulo continua dizendo em sua carta, que virá como o ladrão de noite. Logo em seguida explicando o por quê virá como o ladrão de noite:

Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.”

Ou seja, como “ladrão da noite” o próprio texto explica que é dito assim  porque virá quando não esperam que venha. E ele roubará a paz e a segurança que o mundo acredita ter. Então lhes sobrevindo repentina destruição.

Note aqui o adjetivo usado: “repentina” destruição. Ou seja, de repente, sem esperar, como alguém que é roubado, na noite, que quer dizer, quando já está escuro e ninguém espera.

“Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas.

Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios;”

“Porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite;

mas nós, porque somos do dia, sejamos sóbrios…”

1 Tessalonicenses 5:7,8

Bem, a carta aos Tessalonicenses está falando com coerência de um mesmo assunto. Não existe entre linhas ou texto oculto. É uma única carta coerente do apóstolo Paulo para a Igreja.  Diz que a vinda do Senhor(4:13) , ou seja, o dia  do Senhor, dia em que Jesus vem (5:2) e arrebatará sua Igreja (4:17). Dia que será de destruição “repentina” para aqueles que andarem dizendo paz e segurança neste mundo (5:3). E de modo nenhum escaparão.

Assim, na sua vinda aqueles que foram deixados, não ficarão no mesmo mundo conhecido, porque este será destruído. Repentina destruição.

Pois a Palavra fala dos que foram deixados (Mt 24:40) e fala da destruição dos elementos na vinda de Cristo.

Sobre essa volta de Jesus, que muitos a julgaram tardia, e ainda hoje também a julgam, o apóstolo Pedro disse na sua segunda carta:

2 Pedro 3:4-13:

“…dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.

Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste.

Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio,

Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios.

Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.

O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham arrepender-se.

Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.

Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade, aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão?

Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça.” 2 Pedro 3:4-13

Ou seja,

Desde o tempo do apóstolo Pedro muitos julgaram tardia a volta de Jesus. Trata-se da volta esperada do Senhor a Igreja e não outra coisa. Quando ele escreveu essa carta, Jesus já havia vindo ao mundo, sido morto, ressuscitado e subido aos céus, com a promessa de voltar.

E já naquele tempo muitos tinham por demorada a sua volta, pela falta de fé, ao que Pedro responde:

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham arrepender-se…”

E continua:

“Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.”

Deixando claro que a sua volta não é demorada mas que, pela longaminidade de Deus é que Jesus ainda não voltou, pois Ele não quer que alguns se percam.

E por quê? Porque quando Ele voltar os que não estiverem com Ele se perderão. Necessariamente se perderão. Não terão outra chance. Ou não é isso que o texto diz literalmente? Que não retarda a sua vinda, mas o tempo julgado demorado é por ser longânimo “não querendo que alguns se percam”.

Claramente diz que quando volte, necessariamente se perderão os que não forem com ele. Por isso que diz: “não querendo que alguns se percam”.

Se perder significa não ter outra chance e sim: se perder.

E a Palavra não para por aí. Diz ainda que quando chegar esse dia que muitos julgam-o demorado, dia que virá como o ladrão da noite, a terra e os céus não continuarão como hoje conhecemos, pois isso é o que diz:

Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.”

(De novo a explicação do “como ladrão da noite” em consonância ao texto de 1 Tessalonicensses 4:14 e 5:6.)

 No qual o quê?

No dia em que o Senhor Jesus virá com o ladrão na noite.

E na continuação da Palavra reafirma:

“Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade,

aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão?”

2 Pedro 3:11,12

Deixando claro o efeito nos elementos deste mundo conhecido com a volta do Senhor. E ao mesmo tempo, diante de tal realidade, admoestando os cristãos a viverem em santo procedimento.

Bem, já aqui teremos também a descrição do aparecer do lago de fogo, composto de elementos fundidos, que em fogo serão dissolvidos. Essa é a matéria do Lago de condenação final.

Por isso um lago, de, fogo.

O universo material estará ali dissolvido em fogo. Onde o falso profeta e a besta serão lançados vivos depois da volta de Cristo, e antes do milênio. Revelação esta para outro momento.

“20 E a besta foi presa, e com ela o falso profeta que fizera diante dela os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e os que adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.”  Apocalipse 19:20

Mas com honestidade e temor a Deus lendo o texto integral, no seu contexto vemos:

“Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.
Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade,
Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão?”
2 Pedro 3:10-12

Aqui temos sem cortes o trecho do texto que tratamos e em todo seu contexto, onde acontece a equiparação do dia do Senhor com o dia de Deus. Coisa que alguns estudiosos do nosso meio tentaram separar, distinguir e torcer ao dizer que são dois dias diferentes. Para encaixar em suas teorias. Mas o apóstolo Pedro fala de um com a mesma característica do outro: “Dia do Senhor” (como ladrão da noite) em que os elementos (a matéria) se desfaz em fogo. E “Dia de Deus” em que os elementos de desfaz em fogo. Sem entre linhas entre um e outro. Não mudando o assunto.

Portanto, querer separar estes dois versículos, colocar acréscimos entre eles e mudar o contexto para falar que são duas ocasiões distintas o “dia da vinda do Senhor” e o “dia de Deus”, para qualquer homem que não seja louco, trata-se de uma clara tentativa de falta de temor e honestidade na presença de Deus. De farsa diante da Verdade de Deus. Assim, concluímos que o Dia do Senhor é o mesmo que o Dia de Deus.

 

A ORDEM DOS ACONTECIMENTOS FINAIS:

O dia e a hora da sua vinda ninguém sabe, a não ser o Pai, mas sobre a ordem dos acontecimentos finais e as estações nos é dado saber. Inclusive a Palavra alerta veementemente o povo de Deus a respeito. Devemos saber a ordem dos acontecimentos que Jesus nos deixou. Como ele mesmo diz de reconhecermos o tempo do florescer da figueira. Não desejar saber é ignorar suas Palavras.

Para entender a ordem dos acontecimentos finais, vamos a 2ª Carta aos Tessalonicenses no capítulo 2, onde o  apóstolo Paulo nos relata tal sequência de acontecimentos e o efeito de cada fase com detalhes:

2 Tessalonicenses 2:1-12

 

“1 Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, 2 que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto.”

O apóstolo Paulo aqui pede aos irmãos em Cristo de Tessalônica, que não se agitem em seus pensamentos, quer seja por palavras ouvidas, cartas escritas ou por qualquer outra fonte de informação, a respeito da espera da Reunião da Igreja com Cristo. Ou seja, a respeito da sua vinda para a Igreja.

Situando assim o tema tratado, a reunião da Igreja com Cristo,  em um período após a ressureição de Jesus, quando então Paulo escreveu esta carta, e a Sua volta e reunião com Sua Igreja

Por que dizer isto?

Porque assim poderemos perceber, que hoje em dia, estamos  nesse mesmo período espiritual, entre a ressureição e a promessa da sua vinda e, portanto, que a mesma carta é atual para nós quanto as mesmas expectativas e esperança de nossos irmãos no passado.

Sendo assim, sabendo que a mesma admoestação serve para nós ainda hoje, nós que aguardamos nossa reunião com Cristo na sua vinda, continuemos:

“3 Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição,

4aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus.”

O que diz que não acontecerá? Sem que primeiro apareça o tempo da apostasia e, logo depois, o anticristo, o filho do pecado? Do que diz?

A resposta é:   “… a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele”

Vejamos o texto inteiro:

“1Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, 2que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto.

3Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição,

4aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus.”

Assim, a Palavra aqui também nos deixa claro, de forma simples, que a vinda do Senhor Jesus é precedida pela apostasia e pelo anticristo.

Portanto, a Igreja estará aqui durante a apostasia e manifestação do anticristo.

O texto continua:

“5 Não vos lembrais de que eu vos dizia estas coisas quando ainda estava convosco?

6 E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado.

7Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que agora o detém até que do meio seja tirado;

8e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda;

9a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira,

10e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos.

11E por isso Deus lhes envia a operação do erro, para que creiam na mentira;

12para que sejam julgados todos os que não creram na verdade, antes tiveram prazer na injustiça.”

Esse iníquo, filho da perdição, o homem do pecado, está para ser revelado e existe somente um que o detém ainda. E este Um será tirado do meio do mundo (vers 6 e 7). E quando for tirado o filho da perdição se manifestará plenamente.

Quem é este Um, ou seja, único, que está no meio do mundo e será tirado?

E tem poder de deter a besta de tomar o homem já agora?

Seria algum homem? Ou algum sistema do presente século?

Claro que não.

Mas a resposta é: o Espírito Santo.

Sobre a descida e retirada do Espírito Santo

Porque desde o dia de Pentecostes após a ressureição e Cristo o Espírito foi derramando sobre toda carne, após Jesus subir ao Pai.

Vejamos:

E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar;

E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.

E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.”

“Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras.

Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia.

Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel:

E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos;

E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão;”

Atos 2:14-18

Cuidando aqui com discernimento irmãos que, estar o Espírito Santo derramado sobre toda carne não significa que Ele habite em toda carne.

Estar sobre não é o mesmo que habitar ou ser parte de.

Mas, significa, que sobre todo homem o Espírito Santo está presente para sua escolha diante do evangelho de Cristo.  E nos que tiverem fé em Cristo Ele entra e faz morada.

“Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.” João 14:23

E sobre a sua retirada um dia, retirada do Espírito Santo de Deus nos tempos finais, do Óleo derramado, profetizou também o profeta Daniel dizendo:

“6 E depois de sessenta e duas semanas será cortado o Ungido e já não estará; e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas assolações.” Daniel 9:26

“E ele fará um pacto firme com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador; e até a destruição determinada, a qual será derramada sobre o assolador.” Daniel 9:27

Esse príncipe que há de vir depois que o ungido é cortado, é o filho da perdição. Seu povo são os demônios e seus seguidores em carne.

A cidade e o santuário é o homem, criado para ser templo de Deus, porém que rejeitou a Deus.

Desta maneira se cumpre o que o apóstolo Paulo está dizendo:

“5Não vos lembrais de que eu vos dizia estas coisas quando ainda estava convosco?

6E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado.

7Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que agora o detém até que do meio seja tirado;

8e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda;

9a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira,

10e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos.”

E também nos alertou Jesus:

“E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.

Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.

E disse aos discípulos: Dias virão em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis.”  Lucas 17:20-22

Porque o Reino dos céus é onde está o Espírito Santo. Por isso não vem com aparência exterior. Porque o Espírito estava em Cristo e estaria nos discípulos após seu sacrifício.

Não exteriormente mas dentro, como templos do Espírito Santo. E por isso, que na continuação sobre o mesmo assunto Jesus diz:

“Dias virão em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis.”

Porque haveriam dias que o mundo não teria mais a luz.

“Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo.” João 9:4,5

E a descendência dos homens (as mulheres e seu filhos) lamentariam:

Filhas de Jerusalém, não choreis por mim; chorai antes por vós mesmas, e por vossos filhos.

Porque eis que hão de vir dias em que dirão: Bem-aventuradas as estéreis, e os ventres que não geraram, e os peitos que não amamentaram!

Então começarão a dizer aos montes: Caí sobre nós, e aos outeiros: Cobri-nos.

Porque, se ao madeiro verde fazem isto, que se fará ao seco?

Lucas 23:27-31

Porque já não seriam madeiro verde, mas  lenho seco. Madeiro verde significa com vida. E lenho seco, sem vida, para ser queimado. Ou seja, sem presença do Espírito Santo.

Falando do homem natural e não da Igreja. Porque Ela, A noiva do Cordeiro conservá o óleo no coração. Pois Nela, em cada filho seu, habita como selo o Espírito. Mas quem ficou de fora não entra mais. Como foi nos dias de Noé.

Por isso que serão dias como nunca houveram. Porque Deus rejeitou o homem natural definitivamente.

Também a respeito disse Isaías:

“Na verdade a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna.

Por isso a maldição tem consumido a terra; e os que habitam nela são desolados; por isso são queimados os moradores da terra, e poucos homens restam.

Pranteia o mosto, enfraquece a vide; e suspiram todos os alegres de coração.

Cessa o folguedo dos tamboris, acaba o ruído dos que exultam, e cessa a alegria da harpa.

Com canções não beberão vinho; a bebida forte será amarga para os que a beberem.

Demolida está a cidade vazia, todas as casas fecharam, ninguém pode entrar.

Há lastimoso clamor nas ruas por falta do vinho; toda a alegria se escureceu, desterrou-se o gozo da terra.

Na cidade só ficou a desolação, a porta ficou reduzida a ruínas.

Isaías 24:5-12

 

A porta é Cristo e já não estará aqui. Digo, o seu Espírito, como entrada para o Reino dos Céus. Por isso,   “…desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis.”

As casas fechadas são os crentes em Cristo aqui selados, porém recolhidos em suas casas, ou seja, no Espírito, onde Ele está, no coração, no monte que Deus habita.

“Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes;

E quem estiver sobre o eirado não desça a tirar alguma coisa de sua casa;”

Mateus 24:16,17

Sequência dos acontecimentos

Portanto, eis o que se segue:

  • Primeiramente vem a Apostasia, que muitos ficaram mornos, cheios de cuidados com este mundo e posteriormente abandonarão a fé e, quando escurecerem, blasfemarão contra Deus. Nessa fase já entramos hoje.

 

  • Depois a manifestação da Besta em plenitude

 

  • Após isto o Espírito Santo é retirado. Depois que vir a operação da Apostasia com o Anticristo, a ponto do homem natural rejeitar a Deus e romper a Aliança Eterna, o Espírito Santo será retirado do meio do mundo.

Porquê, por livre arbítrio, toda carne rejeitou o Evangelho. E os que estão selados no Espírito já estão separados. Ele ficará, a partir de então, somente nos corações selados daqueles que estão em Cristo.

Muitos aqui se perderão.

Ora, uma vez que o Espírito Santo é retirado de sobre toda carne, já não há arrependimento e conversão dos pecados. Porque quem convence o homem do pecado e do Juízo e da Justiça é justamente Aquele que está sendo retirado (João 16:8 e Romanos 8:26).

A retirada acontece no meio deste tempo final, a chamada última semana, no meio, no fim de três tempos e meio. Profecia para outro momento.  Aqui estará a Grande Tribulação.

  • E Finalmente, Volta de Jesus e Arrebatamento da Igreja.

Depois destes, outros acontecimentos se seguem ainda, dos quais falaremos outra hora, a saber:

  • Em seguida, destruição do Filho da perdição, a Besta na vinda do Senhor. E também do falso profeta. Ambos lançados no lago de fogo. (Ap 19:20)

 

  • Prisão de Satanás por mil anos. Igreja com Cristo no arraial nas regiões celestiais por mil anos. (Ap 20:2 ; 20:4)

 

  • Restante da humanidade deixada para trás em uma condição de juízo, transpassada pela espada reluzente que saiu da boca do Cordeiro (O Verbo) , agora então habitando durante mil anos em uma terra estranha, junto com demônios caídos, os quais a devoraram quando caíram. e agora estão juntos. Aqui formação em plenitude de Gogue e Magogue. (Ap 19:21; 19:18)

 

  • Jesus Destrói a todos eles definitivamente, lançando-os também no lago de fogo onde já estavam o falso profeta e a besta. (Ap 20:9-10)Julgamento Final. Segunda ressureição. E plenitude De Deus e de sua cidade Eterna sobre toda existência justificada em Cristo.

 

  • Após mil anos, Satanás é solto, convence e reúne todos estes para vir contra o arraial dos Santos em que está Cristo com sua Igreja. Que participaram da primeira ressureição no arrebatamento. Não aqui na terra. Porque já não há esta terra e este universo como conhecemos. (Ap 20:6 ; 20:8)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s